Crie seu próprio microclima em 2015

Qual é o nosso papel diante de um cenário de crise econômica?
As previsões para 2015 são negativas em vários sentidos e para fazer deste um ano positivo em sua vida e carreira, uma das dicas é criar o seu próprio microclima. Organizações públicas e privadas também podem se valer deste conceito e, com isso, não serem afetadas por perspectivas macroeconômicas ruins.
No meu artigo publicado no Correio, em 17/4/15, discuto um pouco esta questão. Leia abaixo e comente.

Crie seu próprio microclima em 2015

Crie o seu próprio microclima em 2015* 

Participando de um evento, recentemente, ouvi de um dos sócios de uma grande empresa nacional, líder no seu segmento, sobre como ele enxergava o cenário econômico do Brasil e como acreditava que haviam preparado a empresa para enfrenta-lo. Enfático, afirmou logo que a macroeconomia não o interessava. Distante de ficar alheio às crises econômicas diversas, o que ele acredita e se concentrava era em criar e manter o seu próprio microclima e, para explicar este conceito, trouxe-nos um exemplo. Imagine que você está uma região seca e árida do sertão nordestino. Neste lugar, delimite uma gleba de alguns hectares para seu experimento, fure alguns poço artesianos e irrigue toda a área com frequência, podendo assim plantar novas espécies de árvores e plantas diversas. Depois de um tempo, independente do que ocorre em volta da área escolhida, aquele lugar será diferente da sua vizinhança. Uma nova flora surgirá, adaptada a maiores volumes de água, assim como um fauna será atraída. Depois de um tempo, então, teremos um microclima criado artificialmente.

As previsões econômicas para este ano são todas ruins, com quedas previstas no riqueza do país (PIB), na produção industrial e no nível de consumo das empresas e famílias. Por outro lado, o que deverá aumentar é o desemprego, a inflação e o endividamento. Em um contexto como esse, deixar contaminar a nossa atitude por esta conjuntura negativa pode ter impacto proporcional nas performances pessoal e organizacional. Não podemos nos abster da discussão política e econômica, participando ativamente da vida pública diária, porém o cuidado é separar esta discussão da nossa agenda, de nossas metas e de nossos objetivos profissionais e pessoais.

Empresas e pessoas podem escolher como olhar para 2015, se como um ano que será ruim ou se vamos furar os poços e irrigar nossas carreiras e negócios, criando o nosso próprio microclima. É um ano em que assume prioridade na agenda engajarmos ainda mais as pessoas que trabalham conosco e, com isso, transformar o nosso ambiente do trabalho em um lugar sustentável, gerando satisfação para as pessoas, compromisso ambiental e social e lucratividade para os sócios. Devemos continuar nesta onda de participação ativa na vida pública, exigindo que governos, em todas as suas esferas, implementem mudanças na nossa economia e política. Mas, para fazer diferença de verdade em nossas vidas, temos trabalhar todos os dias para construir um poderoso microclima em 2015, tantos para as organizações que atuamos, como também para nossas carreiras.

* Cezar Almeida  é economista, professor e diretor da Associação Brasileira de Recursos Humanos – ABRH Bahia

Perdeu o emprego? É hora de agir – Entrevista Jornal A Tarde

Confira a seguir minha participação em matéria publicada no Jornal A Tarde.

——

Perdeu o emprego? É hora de agir

Com cenário de crise, crescem as demissões em todo o país. Cruzar os braços e lamentar não é, entretanto, a atitude mais sensata a ser tomada por quem acaba de entrar nas estatísticas oficiais dos desocupados – como são classificados os desempregados que realizam qualquer atividade, mesmo que temporária. Uma ação imediata é o que recomendam os especialistas. “Não é hora de deixar se abater e, sim, manter o foco nas buscas constantes”, frisa Henrique Ramos, gerente de negócios da empresa de consultoria Talento RH.
Segundo ele, embora as estatísticas que apontam o aumento do desemprego no país não sejam animadoras, elas servem para alertar o profissional recém-desligado de uma empresa de que ele não deve perder tempo, já que, no cenário atual, a cada dia aumenta a disputa por vagas.
De acordo com dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em fevereiro existiam, aproximadamente, 230 mil pessoas desocupadas na região metropolitana de Salvador (RMS). O número representa 10,8% da população economicamente ativa da RMS, um aumento de 1,8 ponto percentual em um ano.
Rede de contatos
O cenário nada animador não é considerado, entretanto, inibidor pelos especialistas em recursos humanos. “A oferta de vagas tem caído e as empresas optam por aproveitar o momento para avaliar seus quadros e sua estrutura em busca de mais eficiência, num contexto agravado por problemas externos e pelos ajustes na economia doméstica, além das crises hídrica e de energia, influenciando na queda da
confiança dos investidores, mas, independentemente disso, há oportunidades para os bons profissionais”, acredita Henrique Ramos. O especialista considera como bom profissional “aquele que se atualiza constantemente e se antecipa, mesmo trabalhando, na busca de novos desafios e oportunidades”.
Já o diretor de relações institucionais da Associação Brasileira de Recursos Humanos na Bahia (ABRH-BA), Cezar Almeida, destaca a importância de “tomar medidas com eficiência e rapidez, a exemplo da manutenção de um boa rede de contatos profissionais”, a chamada networking.
Atualização constante 
Foi o que aconteceu com a jornalista Paula Macedo, que trabalhava como assessora de imprensa em uma empresa que faliu há pouco mais de seis meses. Durante o período em que estava empregada, ela sempre se manteve atualizada com as novas tecnologias da comunicação e potenciais clientes, o que lhe permitiu reingressar no mercado de trabalho de prestação de serviços, ainda como atividade informal. “No início, fiquei desesperada, sem chão, pois trabalhava há oito anos na empresa que faliu, mas depois fui logo em busca de uma oportunidade de trabalho para não ficar parada”, conta.
A qualificação foi o diferencial para Paula ter continuado com o mesmo nível de renda de antes, mesmo estando fora do mercado formal. “Pretendo agora voltar a ter um emprego com carteira assinada apenas num horário que me permita continuar atuando como freelancer”, diz.
Para a secretária-executiva Jeane Santos, o ano de 2015, considerado difícil para muitos, acabou marcando seu tão esperado retorno à carreira. “Passei anos desempregada depois que saí de uma clínica, só encontrando trabalho fora da minha área, em uma rede de lojas de shopping, que agora também alegou dificuldades e demitiu pessoal logo após o Natal”, conta a moça de 38 anos que tem graduação pela Universidade Federal da Bahia (Ufba).
Em menos de dois meses, Jeane já está trabalhando e novamente como secretária, agora em uma escola. “A diferença para minha rápida recolocação desta vez foi que, enquanto fiquei na loja, aproveitei para estudar idiomas, o que me ajudou a retomar a minha carreira”, revela.
DICAS PARA AGILIZAR A RELOCAÇÃO NO MERCADO 
FAZER INVENTÁRIO DE HABILIDADES 
Escrever em um papel todas as suas habilidades e situações em que elas fizeram diferença. “Além de elevar a autoestima, ajuda a preparar o profissional para entrevistas de emprego”, diz Cezar Almeida, da ABRH.
ATUALIZAR SEMPRE O CURRÍCULO E SE PREPARAR PARA ENTREVISTAS 
É bom adotar modelos mais modernos e resumidos, “mas se deve ter atenção para não cortar informações essenciais para uma determinada vaga”. No caso da entrevista, sempre pesquisar, antes, tudo sobre a empresa.
REDES SOCIAIS PROFISSIONAIS E NETWORKING 
Nos dias de hoje, manter o currículo em redes, como a Linkedin, é fundamental, inclusive para quem visa oportunidades em multinacionais. Manter, por outro lado, uma rede pessoal de contatos profissionais (professores, ex-chefes, ex-clientes, etc.).
*Informações do jornal A Tarde

Print do jornal impresso:

A_TARDE_12_de_Abril_de_2015_Empregos_pag1