Matéria Jornal A Tarde

Formandos de 2016 têm mais desafios

Principal obstáculo é a concorrência maior, consequência da redução da oferta de emprego
Terminar uma graduação e encarar o mercado de trabalho competitivo é um desafio que todos  os formandos enfrentam. Em 2016, as consequências da crise econômica e as incertezas sobre o futuro da economia acrescentam mais dificuldade para os novos profissionais.
Para Cezar Almeida, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Bahia), o primeiro desafio dos novos formandos é a maior concorrência, consequente do menor número de vagas de empregos. “A previsão que a gente tem em relação a 2016 é que vai ser um ano de queda em relação a 2015, que já foi um ano difícil. O cenário econômico reflete diretamente no nível de emprego”, diz Almeida.
Com um ano ruim em 2015, o setor da indústria ainda precisa se recuperar para fornecer a quantidade de vagas que eram ofertadas no passado. “Para 2016, as empresas do setor sabem que não estão produzindo tanto. Não temos como garantir que tenha emprego para todos os formandos”, afirma a coordenadora do Núcleo de Carreiras do Senai Cimatec, Maria Aparecida Medrado.
Buscar oportunidades, adquirir experiência e mais qualificação é o que os consultores de carreira orientam para aqueles que entram em 2016 já formados ou para quem completa a graduação este ano. As relações construídas durante a graduação podem gerar oportunidades de emprego, principalmente num contexto de maior competitividade.
Manter a rede de relacionamentos da faculdade e não perder o vínculo com a instituição são duas das principais discas de especialistas em Recursos Humanos.
“Uma das formas que você se destaca na busca por um lugar ao sol é através da sua rede de relacionamentos. É o primeiro ponto necessário para se preocupar em manter, no ambiente que acabou de fazer um curso, com os colegas os funcionários da universidade, os  professores. É um ambiente interessante de networking”, afirma Cezar Almeida.
Correr atrás
Além do contato direto com a instituição, Maria Aparecida Medrado orienta a não perder a motivação pela busca de um emprego. “É preciso continuar se capacitando e buscando as oportunidades, cadastrar os currículos em sites e empresas de RH, visitar as indústrias, fazer contatos com as empresas e pessoas importantes. É preciso bater na porta das empresas para buscar oportunidades”, orienta.
Apesar de capacitação ser essencial, emendar a graduação com uma pós-graduação nem sempre é a melhor opção para todos. “Depende do plano de carreira. O que é importante observar é se a hora é de aprofundar o conhecimento em uma área específica ou é hora de ganhar experiência”, afirma.
Adquirir experiência é o principal objetivo da formanda em recursos humanos Zélia Oliveira. “O nosso desafio como formando é entrar no mercado. Estamos vendo que está difícil para quem está se formando e não tem experiência. Mas ao mesmo tempo, as empresas precisam de sangue novo e nós podemos mostrar o nosso diferencial”, diz.
Além dos programas de estágio e trainees, a experiência  necessária pode vir de iniciativas que os formandos costumam não considerar, como trabalho voluntário. “As empresas juniores são oportunidades de trabalhar ainda na faculdade. Entidades buscam pessoas disponíveis para fazer trabalho filantrópico. O que é importante para quem está começando a carreira é aceitar pelo aprendizado, o que pode garantir contratação”, afirma presidente da ABRH Bahia.
*Informações do jornal A Tarde
Fonte: http://abrhba.org.br/noticia/formandos-de-2016-tem-mais-desafios

 

Leia no Jornal A Tarde: A_TARDE10_de_Janeiro_de_2016Empregospag1

Perdeu o emprego? É hora de agir – Entrevista Jornal A Tarde

Confira a seguir minha participação em matéria publicada no Jornal A Tarde.

——

Perdeu o emprego? É hora de agir

Com cenário de crise, crescem as demissões em todo o país. Cruzar os braços e lamentar não é, entretanto, a atitude mais sensata a ser tomada por quem acaba de entrar nas estatísticas oficiais dos desocupados – como são classificados os desempregados que realizam qualquer atividade, mesmo que temporária. Uma ação imediata é o que recomendam os especialistas. “Não é hora de deixar se abater e, sim, manter o foco nas buscas constantes”, frisa Henrique Ramos, gerente de negócios da empresa de consultoria Talento RH.
Segundo ele, embora as estatísticas que apontam o aumento do desemprego no país não sejam animadoras, elas servem para alertar o profissional recém-desligado de uma empresa de que ele não deve perder tempo, já que, no cenário atual, a cada dia aumenta a disputa por vagas.
De acordo com dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em fevereiro existiam, aproximadamente, 230 mil pessoas desocupadas na região metropolitana de Salvador (RMS). O número representa 10,8% da população economicamente ativa da RMS, um aumento de 1,8 ponto percentual em um ano.
Rede de contatos
O cenário nada animador não é considerado, entretanto, inibidor pelos especialistas em recursos humanos. “A oferta de vagas tem caído e as empresas optam por aproveitar o momento para avaliar seus quadros e sua estrutura em busca de mais eficiência, num contexto agravado por problemas externos e pelos ajustes na economia doméstica, além das crises hídrica e de energia, influenciando na queda da
confiança dos investidores, mas, independentemente disso, há oportunidades para os bons profissionais”, acredita Henrique Ramos. O especialista considera como bom profissional “aquele que se atualiza constantemente e se antecipa, mesmo trabalhando, na busca de novos desafios e oportunidades”.
Já o diretor de relações institucionais da Associação Brasileira de Recursos Humanos na Bahia (ABRH-BA), Cezar Almeida, destaca a importância de “tomar medidas com eficiência e rapidez, a exemplo da manutenção de um boa rede de contatos profissionais”, a chamada networking.
Atualização constante 
Foi o que aconteceu com a jornalista Paula Macedo, que trabalhava como assessora de imprensa em uma empresa que faliu há pouco mais de seis meses. Durante o período em que estava empregada, ela sempre se manteve atualizada com as novas tecnologias da comunicação e potenciais clientes, o que lhe permitiu reingressar no mercado de trabalho de prestação de serviços, ainda como atividade informal. “No início, fiquei desesperada, sem chão, pois trabalhava há oito anos na empresa que faliu, mas depois fui logo em busca de uma oportunidade de trabalho para não ficar parada”, conta.
A qualificação foi o diferencial para Paula ter continuado com o mesmo nível de renda de antes, mesmo estando fora do mercado formal. “Pretendo agora voltar a ter um emprego com carteira assinada apenas num horário que me permita continuar atuando como freelancer”, diz.
Para a secretária-executiva Jeane Santos, o ano de 2015, considerado difícil para muitos, acabou marcando seu tão esperado retorno à carreira. “Passei anos desempregada depois que saí de uma clínica, só encontrando trabalho fora da minha área, em uma rede de lojas de shopping, que agora também alegou dificuldades e demitiu pessoal logo após o Natal”, conta a moça de 38 anos que tem graduação pela Universidade Federal da Bahia (Ufba).
Em menos de dois meses, Jeane já está trabalhando e novamente como secretária, agora em uma escola. “A diferença para minha rápida recolocação desta vez foi que, enquanto fiquei na loja, aproveitei para estudar idiomas, o que me ajudou a retomar a minha carreira”, revela.
DICAS PARA AGILIZAR A RELOCAÇÃO NO MERCADO 
FAZER INVENTÁRIO DE HABILIDADES 
Escrever em um papel todas as suas habilidades e situações em que elas fizeram diferença. “Além de elevar a autoestima, ajuda a preparar o profissional para entrevistas de emprego”, diz Cezar Almeida, da ABRH.
ATUALIZAR SEMPRE O CURRÍCULO E SE PREPARAR PARA ENTREVISTAS 
É bom adotar modelos mais modernos e resumidos, “mas se deve ter atenção para não cortar informações essenciais para uma determinada vaga”. No caso da entrevista, sempre pesquisar, antes, tudo sobre a empresa.
REDES SOCIAIS PROFISSIONAIS E NETWORKING 
Nos dias de hoje, manter o currículo em redes, como a Linkedin, é fundamental, inclusive para quem visa oportunidades em multinacionais. Manter, por outro lado, uma rede pessoal de contatos profissionais (professores, ex-chefes, ex-clientes, etc.).
*Informações do jornal A Tarde

Print do jornal impresso:

A_TARDE_12_de_Abril_de_2015_Empregos_pag1